pixel

*Jevandro Barros

Quando pensamos em implementar o LEAN CONSTRUCTION em nossa Empresa, Projetos e Obras uma das coisas que sempre vem a cabeça dos Empresários, donos de Construtoras, bem como dos CEO’s, Diretores e Gerentes é: precisamos aumentar a nossa PRODUTIVIDADE.

O tema PRODUTIVIDADE sempre foi e sempre será alvo de discussões e melhorias em qualquer empresa e em qualquer momento.

Uma pesquisa do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada diz que o valor gerado pelo trabalhador americano por hora de trabalho está próximo de US$35,00, enquanto a contribuição do colaborador brasileiro é de cerca de US$5,00.

A produtividade do trabalhador brasileiro cresceu, em média, 1,8% ao ano ao longo dos últimos 25 anos e este é um resultado muito inferior ao registrado por outros países em desenvolvimento, incluindo nações latino-americanas como Peru e Chile, e abaixo do avanço dos Estados Unidos, que opera historicamente em níveis muito mais elevados do que os brasileiros.

Neste sentido, e principalmente analisando a fundo as nossas obras, os atrasos, os elevados índices de desperdícios, bem como o baixo índice de escolaridade e qualificação, entre outros, podemos concluir que ainda temos muito o que avançar quanto à PRODUTIVIDADE de nossos colaboradores, se quisermos obter resultados diferenciados em nossas obras.

Porém, outra coisa que aprendi, tanto no exterior quanto aqui no Brasil, nestes últimos 8 anos realizando projetos de diferentes magnitudes e em obras de diferentes mercados é que:

PRODUTIVIDADE sem PREVISIBILIDADE não ajuda muito!

Isso mesmo, por mais que consigamos focar nossos esforços em aumentar a produtividade de nossos colaboradores e processos, implementar novas tecnologias, etc., ainda sim precisamos dedicar um bom tempo em nossas empresas e projetos para aprendermos a lidar com este “teoricamente novo” termo denominado PREVISIBILIDADE.

Mas porque a PREVISIBILIDADE é algo tão importante?

Pensando de maneira enxuta, ninguém deseja ter desperdícios em seus processos, certo?

Outra coisa, procuramos sempre planejar nossas obras da maneira mais correta possível para que não tenhamos surpresas em cada uma de suas fases e consigamos cumprir os prazos previstos, ok?

Tudo isso é verdade, mas o que eu ainda vejo acontecer em um número ainda bastante elevado de obras é:

    • Um Planejamento tradicional, não orientado pela Produção. Existem muitas empresas em que o Processo de Planejamento ainda é gerido e controlado totalmente separado/desvinculado da Produção. Parecem dois inimigos lutando para justificar os problemas que ocorrem. Trabalhando desta forma só temos a perder. Ficamos apagando incêndios ao invés de trabalhar com PREVISIBILIDADE e Visão de Futuro.
    • Processo de Planejamento trabalhando de forma tradicional no que tange às atividades e Controle de Riscos e Restrições, ou seja, trabalhando com visão de HOJE, corretiva, esperando com que os problemas aconteçam e então apenas REAGINDO a eles tardiamente.
    • Processo Produtivo correndo atrás dos demais Processos do Projeto para conseguir recursos (mão de obra, equipamentos, materiais, ferramentas, etc.), quando deveria ser totalmente ao contrário. Esquecemos que TODOS OS PROCESSOS deveriam trabalhar orientados PARA A PRODUÇÃO e não ao contrário. Este é um Princípio básico, porém de suma importância do Lean Construction.

Por estes e outros diversos motivos é que o LEAN CONSTRUCTION trouxe para nós uma metodologia crucial para nossos Projetos chamada Planejamento Puxado.

Ela nos ensina a planejar, gerir e controlar nossas obras com o foco na PREVISIBILIDADE.

Algumas dos temas que o Planejamento Puxado envolve:

    • Planejar as atividades com visão de futuro e atuação no HOJE, ou seja, deixar o foco tradicional das predecessoras para trabalharmos com PACOTE DE ENTREGÁVEIS.
    • Utilizar a sistemática de “Puxar”, ou seja, orientar todo nosso Projeto para a Produção e fazer com que ELA PUXE OS DEMAIS PROCESSOS a partir de suas necessidades e recursos.
    • Não trabalhar com cronogramas, ou diversos cronogramas aleatórios e confusos ao longo do projeto, mas sim, com MGPI – MAPA DE GESTÃO DOS PROCESSOS E INTERFACES, como mostra a figura abaixo.

Como vocês podem ver, um MGPI nos dá uma visão geral e muito mais direta e simples de TODO O PROJETO, suas FASES, DEADLINES e principais ENTREGÁVEIS. O grande ganho aqui é orientar a obra POR PROCESSO, tema que explanarei um pouco mais adiante em outro Artigo.

Portanto, quando você quiser melhor a PERFORMANCE TOTAL da sua Obra/Projeto e, principalmente, garantir resultados reais, procure unir esforços para melhorar tanto a sua PRODUTIVIDADE quanto a sua PREVISIBILIDADE. Estes dois elementos, unidos e integrados, é que vão fazer com que você obtenha os resultados que deseja.

Fico por aqui e espero que tenham gostado de mais este Artigo. Caso você tenha alguma dúvida, sugestão ou comentário entre em contato conosco no e-mail abaixo. Será um enorme prazer conhece-lo e, quem sabe, podermos compartilhar conhecimentos.

Um forte abraço,

Jevandro Barros

Diretor Geral e proprietário do IOpEx Brasil – Mentoria, Consultoria e Treinamentos Engenheiro Mecânico – Universidade Federal de São João del Rey – MG Mestre em Lean Construction – Karlsruhe Institute of Technology da Alemanha MBA – Gestão e Sist. de Produção Ind. Automotiva – Universidade Federal do Rio de Janeiro Especialista em Operational Excellence – Institut fuer Innovation und Management GmbH- Alemanha Lean Construction Expert – The Associated General Contractors of America – USA Membro e Parceiro – Lean Construction Institute – USA Instrutor do Lean Expert Program – Lean Coaching – Alemanha Autor do livro – Lean Construction e Excelência Operacional – Sistema de Produção para Construção Projetos Lean e Excelência Operacional realizados em mais de 32 países envolvendo Américas, Europa e Asia Expertise em Novos Negócios, Construção Enxuta, Planejamento Estratégico, Gestão Empresarial, Serviços e Varejo

Artigo publicado em 11/10/2019 no blogdaliga.com.br